Resenha – Verity, de Colleen Hoover

Poucos livros me deixaram tão absorta depois de terminar a leitura, como Verity. Até ler ele, toda oportunidade que eu tinha de indicar Apenas Um Olhar, do Harlan Coben, pra alguém, eu indicava. Agora, acho que Verity tomou esse posto.

Colleen Hoover é uma grande escritora de romances best-seller, que recentemente lançou Verity como um projeto independente e pessoal, porque queria experimentar algo novo sem a interferência de uma editora. Eu queria muito poder agradecer a ela por ter feito isso.

No livro, conhecemos a protagonista Lowen, a introvertida autora de um thriller de pequeno sucesso, que se mudou para Manhattan há alguns meses à procura de invisibilidade no meio de toda a movimentação da grande cidade. Porém, sua história começa a mudar a caminho de uma reunião importante e misteriosa na empresa do seu agente literário.

Ao chegar no escritório, Lowen recebe a proposta de co-escrever os 3 novos livros da autora de sucesso Verity Crawford, que está impossibilitada de continuar o projeto por conta de um acidente que sofreu há poucas semanas. Depois de relutar em aceitar o convite, achando que não era boa o bastante para o trabalho, nossa protagonista finalmente assina o contrato milionário.

É aí que Lowen recebe o convite de Jeremy, marido de Verity, para passar alguns dias na casa deles, em Vermont, e vasculhar o home-office da escritora a fim de analisar todos os arquivos, anotações, cadernos e caixas que havia no cômodo, na esperança de ela ter deixado pistas de qual rumo a série de livros deveria tomar depois de seu último lançamento.

Ao começar o trabalho braçal no escritório, Lowen encontra o manuscrito do que parece ser uma autobiografia, e é aí que coisas estranhas começam a acontecer…

A história traz um grande mix de emoções, entre medo, ansiedade, dúvida, repulsa, tristeza, obsessão e amor, que nunca vi acontecer antes. Quando terminei de ler o livro, senti um alívio imenso por finalmente ter uma conclusão nas minhas mãos, e comecei a chorar (juro).

A escrita da Colleen é maravilhosa, de encantar qualquer leitor. Quem me dera ter metade do talento dessa mulher. Ela tem a capacidade de criar uma narrativa fluida, sem interrupções, instigante e apaixonante (principalmente pelo Jeremy), tudo ao mesmo tempo.

Em alguns momentos eu ficava com medo de ler no escuro, de costas pro resto do meu quarto vazio, com medo do que poderia acontecer na próxima página. Já nas cenas eróticas – que, a propósito, não são nem um pouco gratuitas e fazem toda a diferença na história -, fiquei encantada com a sutileza e a forma como ela descrevia as interações entre os personagens.

No fim, achei que a autora entregou um desfecho bem satisfatório, amarrando todos os pontos que ficaram soltos ao longo da narrativa. Há quem não goste do final, mas acho importante lembrar que, assim como as pessoas na vida real, personagens não são perfeitos.

Confesso que não conhecia a Colleen Hoover antes desse livro, e que mesmo se conhecesse, as obras dela não me chamariam muito atenção porque não sou fã de romances, mas depois de Verity, fiquei até com vontade de procurar as sinopses de outros sucessos dela.

Mal posso esperar pra ela escrever mais e mais histórias de suspense. Onde eu posso criar um abaixo-assinado?