Resenha – A bruxa não vai para a fogueira neste livro, de Amanda Lovelace

A Bruxa Não Vai Para a Fogueira Neste Livro, de Amanda Lovelace, foi uma compra meio que por impulso, durante a promoção de Black Friday na Saraiva. Vinha com um imã que tinha uma frase legal e eu não consegui resistir. Quem não gosta de um brinde? 😁

Não sou uma pessoa de ler poemas, e a poesia contemporânea me deixa com o pé um pouco atrás por parecer um monte de frases em que o autor foi dando enter entre uma palavra e outra (me julguem 😆). Li a famosa Rupi Kaur há um tempinho e não achei nada incrível, como todo mundo fala, nem senti uma conexão muito grande. Um ou outro poema são legais, mas para por aí.

Já tinha visto muita gente falar sobre os livros da Amanda Lovelace nas redes sociais, e também já tinha lido o primeiro dela no Kindle Unlimited, chamado A Princesa Salva a Si Mesma Neste Livro, mas não me tocou tanto assim.

Por isso, essa provavelmente vai ser a leitura mais despretensiosa do ano, mas que me pegou de um jeito que eu nunca ia esperar. Quando peguei pra ler, numa noite de sábado, antes de dormir, achei que iria chegar a umas 50 páginas e parar, porém acabei lendo tudo de uma vez só. 😍


Esse livro é separado em quatro partes – o julgamento, a queima, a tempestade de fogo, e as cinzas -, em que os poemas são organizados de acordo com os temas de cada um. Nelas, o leitor é apresentado a versos sobre assuntos como construções sociais, o que é ser mulher, sororidade, regras básicas do patriarcado, abuso sexual, e imposições de padrões de beleza. Tudo isso, claro, com fortes doses de feminismo. ⚡

O que eu mais gostei nesse livro foi o jeito como a Amanda conseguiu traduzir temas difíceis de se falar sobre em poesia, de maneiras subjetivas (brincando com a temática das bruxas), sensíveis e poderosas, ao mesmo tempo que são tão familiares. São textos altamente pessoais, mas que qualquer mulher pode se identificar com pelo menos um deles – mas duvido que seja só um.

Quanto à profundidade dos tópicos, é bem rasa. Por serem poemas, eu já não esperava nada diferente, já que não estamos falando de livros mais detalhados como os da Simone de Beauvoir, por exemplo. Por causa da popularidade da poesia contemporânea e da facilidade de leitura, essa coleção é uma ótima porta de entrada pra outras obras da literatura feminista, ou até pro movimento feminista em si.


A Bruxa Não Vai Para a Fogueira Neste Livro transborda empoderamento feminino, fantasia e fatos sobre a realidade de ser mulher em uma sociedade patriarcal. Me deixou com muita vontade de ler outras criações da autora, e até passei a segui-la no Twitter! 😊 Ah, e fiquei ainda mais feliz quando ela citou Gilmore Girls no “sobre a autora”, nas últimas páginas. 😄💖

 

Nota: 5/5