Hello, world

Se eu disser que esse é o meu décimo blog, não vai ser exagero. Pessoa viciada em internet desde pequena que sou, sempre tive uma vontade grande de escrever sobre assuntos que me interessam e jogar no mundo online pra compartilhar com quem quiser se aventurar a ler (o diploma que me dá o título de jornalista não foi por acaso).

Minhas primeiras URLs por aqui serviam pra postar GIFs que brilhavam com desenhinhos de glitter em PNG, mas depois se transformaram em álbuns de fotos, e então evoluíram pra um espaço onde eu jogava os resultados de uma necessidade de criar. Pra minha infelicidade, nenhum desses blogs existe mais, porque eu adoraria olhar tudo de novo e sentir a famigerada vergonha, junto com uma certa saudade de épocas que já passaram.

A partir da adolescência, passei a ser saudosista. A síndrome de esquilo me atacou e, hoje, guardo tudo por lembrança e pelo gostinho da nostalgia. Tenho muitas fotos enchendo a memória do meu computador, pago religiosamente o Google Drive pra que elas não se percam facilmente e, como se não fosse suficiente, esses dias ainda comprei um HD externo. Além disso, no meu quarto você pode encontrar três caixas que guardam papeis, fotos, ingressos de cinema, cartões de aniversário, passagens de avião, entradas de museus e pequenos objetos. Guardar coisas se tornou quase um hobbie pra mim, adoro criar métodos pra escolher o que vai e o que não vai pro arquivo, e, depois de muito tempo, amo rever tudo aquilo de novo. Talvez seja por essa valorização do passado que a minha memória é tão boa.

Acho que tô um pouco enferrujada na escrita, e esse é um dos motivos que me fez querer criar esse espaço novo, que eu espero não abandonar daqui a 2 meses. Além disso, quero que sirva como um depósito de recordações de fases da minha vida, traduzidos em posts que possam ser interessantes pra outras pessoas.

Ainda não sei exatamente o que vai ter por aqui. Talvez um pouco de viagem, literatura e dicas legais? Tô animada pra ver o que vai surgir do lado direito do meu cérebro.